Bueno Tchê

Bueno tchê, puxe um cepo e proseie... que a roda tá feita e o mate tá ajojado...

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Larguemo....

Neste final de semana (04/12) no XVIII Rodeio Artístico Cultural na cidade de Augusto Pestana, fazendo parte do instrumental que acompanhará a Invernada Adulta do CTG Gaspar da Silveira Martins "Velho Gaspar" de Ajuricaba...

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Pé Na Estrada....

A partir de amanhã, estarei em Santa Cruz Do Sul/RS em mais um ENART que acontece todos os anos no Parque da Oktoberfest. Evento este que ocorre entre os dias 18 a 20 de Novembro de 2011. Com transmissão ao vivo pelo site: http://tvtradicao.com.br/.



E na mala de garupa levando queijo e salame pra gurizada se entreter... hehe

Abraço e até semana que vem....

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Os Festivais - História...

Projeto que deve contar um pouco da história de todos os Festivais dentro do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina - Em breve.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Show Tributo na XIX Semana Cultural de Santo Ângelo adiada para o dia 18/09...




Dentro da XIX Semana Cultural, tributo aos Músicos Santoangelenses  na voz de Cláudio Vargas & Gana Missioneira.


Cenair Maicá foi um cantor e instrumentista brasileiro de música nativista. Conhecido por cantar a natureza e os índios, foi um dos quatro troncos missioneiros ao lado de Jayme Caetano Braun, Pedro Ortaça e Noel Guarany.  Nascido em Tucunduva em 1947, passou a maior parte de sua vida em Santo Ângelo, onde começou sua carreira musical com o irmão Adelque. Trabalhou com José Mendes e depois com Noel Guarany. Cenair gravou um compacto duplo e quatro LP, dois deles reeditados em CD. Aos 17 anos, vítima de um acidente, onde perdeu um rim, e que mais tarde veio a comprometer fatalmente a sua vida após um transplante em Porto Alegre no ano de 1989.





Luiz Sérgio Metz, ou simplesmente Sérgio Jacaré, morreu há quinze anos. Havia acabado de publicar um romance,Assim na Terra (Artes & Ofícios, 1995), que marcaria uma espécie de revolução na quase sempre bem comportada prosa local. Romance pouco lido, mas efusivamente saudado pela crítica num momento particularmente efervescente da literatura gaúcha. Metz nasceu em Santo Ângelo, mas fez boa parte de sua formação intelectual em Santa Maria. Lá, formou-se em Jornalismo e deu os primeiros passos em outra de suas paixões, que o acompanharia vida adentro: a política. "Aquele ambiente universitário foi um choque", lembra o historiador Tau Golin, contemporâneo do escritor nos bancos escolares da cidade, em meados da década de 70, e parceiro em aventuras como a cavalgada de 13 dias e 600 quilômetros que empreenderam entre Santa Maria e Jaguarão.


Antônio Soares de Oliveira, o Tio Bilia foi um compositor e gaiteiro brasileiro. Começou a tocar aos 10 anos, no interior do atual município de Entre-Ijuís. Aprendeu a dedilhar o instrumento sozinho, ouvindo outros gaiteiros. Apesar de ter se tornado famoso só na década de 1950, Tio Bilia já animava os bailes do interior há muito tempo, pois tocava em bailes desde os quatorze anos de idade.Foi um autodidata. É bastante reverenciado nas Região das Missões. No bairro Pippi, em Santo Ângelo, uma escultura de três metros de altura foi erguida em sua homenagem. Até os 85 anos, quando morreu, gravou 111 músicas. Gravou seu primeiro LP, o Baile Gaúcho, com Virgílio Pinheiro e seu conjunto.


Juarez de Oliveira Chagas, era natural de Rosário do Sul, porém integrado à comunidade de Santo Ângelo, Chagas sempre esteve ligado ao mundo das artes e foi responsável pela criação de grupos nativistas, com trabalhos gravados que foram destaques no cenário musical do Rio Grande do Sul. Em Santo Ângelo foi idealizador do festival Peña Crioula, desenvolvido no final da década de 80, movimentando o meio artístico local e regional. Também foi integrante e fundador do grupo musical Terra Viva, onde cantou a história dos 7 Povos das Missões, nas décadas de 70 e 80. Veio a falecer vítima de complicações decorrentes da diabete em 2011.


Dia: 18 de Setembro


Local: Praça Pinheiro Machado – Centro Histórico de Santo Ângelo


Horário: 16h30min.


Promoção: Secretaria Municipal de Cultura

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Pedro Ortaça, Luiz Marenco & Mano Lima...





Informações para reserva de mesas e ingressos pelo fone (55) 3312-4660, em horário comercial.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Já saíram as músicas classificadas para o 31ª Coxilha Nativista e 27ª Coxilha Piá...

A COXILHA NATIVISTA é um dos mais importantes eventos da música do Rio Grande do Sul. Um marco na história dos festivais de música regional do Brasil... (fonte: http://www.coxilhanativista.com.br/)


31ª COXILHA NATIVISTA e 27ª COXILHA PIÁ, de 27 a 30 de julho de 2011



TRIAGEM FASE LOCAL

1.    A Terra Prometida – Toada
      Letra: Luiz Onério Pereira               
      Melodia: Marcelinho de Carvalho

2.    Baile da Julia Preta – Vaneira
      Letra e Melodia: Sérgio Matias

3.    Cantares de Parceria – Chamamé
      Letra: Gabriel Moraes
      Melodia: Arthur Bonilla

4.    Dessas Coxilhas – Chamamé
      Letra: Jorge Nicola Prado               
      Melodia: Marcelinho de Carvalho

5.    Espelhos da Alma – Canção
      Letra: Carlos Machado                    
      Melodia: Angelino Rogério

6.    Mate com a Santinha – Vaneirão
      Letra e Melodia: Leandro Torres Ribeiro

7.    Para Cantar na Primavera  Milonga
      Letra: Luiz Carlos Shaka Guerreiro e Antônio Valente
      Melodia: Pedro Carvalho Jr.

8.    Parando Rodeio – Milonga
      Letra: Jorge Luis Carneiro dos Santos
      Melodia: Adão Reis

9.    Rastro e Poente – Milonga
      Letra e Melodia: Beto Barcellos

10.  Velho Fiscal da Vacina  Vaneira
       Letra: Luciano Ferrera e Rodrigo Martins
       Melodia: Rodrigo Martins


TRIAGEM FASE GERAL


1.    Arrasta a Enxada – Chamarra
       Letra: Binho Pires                 
       Melodia: Érlon Péricles e Elton Saldanha
       Cidade: São Luiz Gonzaga

2.    A Senhora, O General e O Cavalo – Chacarera
      Letra: Antônio Augusto Fagundes              
      Melodia: Cristiano Quevedo
      Cidade: Porto Alegre

3.    A Tapera Fala ao Andante – Chamamé
      Letra e Melodia: Juliano Javoski
      Cidade: São Jerônimo

4.    A Terra e o Missioneiro - Aire de Chacarera
       Letra: Rodrigo Bauer              
       Melodia: Ângelo Franco
       Cidade: São Borja

5.    Campeando Casamento – Bugio
       Letra: Marco Antônio Nunes            
       Melodia: Halber Lopes
       Cidade: Santiago

6.    Coração de Madeira – Chamamé
      Letra: Adriano Silva Alves          
      Melodia: Cristian Camargo
      Cidade: Pelotas

7.    Costeando um Rio de Fronteira – Chamamé
       Letra: Martin Cezar                     
       Melodia: Alessandro Gonçalves
       Cidade: Jaguarão

8.    Do Pé da Cruz, às Estrelas!!! – Chamamé
      Letra: Wilson Vargas                    
      Melodia: Sérgio Rosa
      Cidade: Triunfo

9.    Em Nome dos Meus – Milonga
      Letra: Leonardo Borges                  
      Melodia: Luiz Cardoso
      Cidade: Santana do Livramento


10.  Estrada do Tempo – Canção
      Letra e Melodia: Érlon Péricles
      Cidade: Porto Alegre

11.  Meu Amigo e seu Bragado – Chamarra
      Letra: Lisandro Amaral         
      Melodia: Guilherme Collares e Lisandro Amaral
      Cidade: Bagé

12.  Nas Malas de Quem Regressa – Canção
      Letra: Rodrigo Bauer                    
      Melodia: Carlos Machado
      Cidade: São Borja

13.  O Contrabandista – Chacarera
       Letra: João Ari Ferreira     
       Melodia: Nilton Ferreira
       Cidade: Jaguari
14.  Pelos Olhos dos Meus Sonhos  -  Milonga
      Letra: Valdir Disconzi        
      Melodia: Miguel Marques
      Cidade: Santiago

15.  Pra Minha Amada – Chamarra
      Letra e Melodia: Jairo “Lambarí” Fernandes
      Cidade: Porto Alegre

16.  Quando a Raiz Enfraquece – Milonga
       Letra: Jorge Nicola Prado            
       Melodia: Arthur Bonilla
       Cidade: Cruz Alta

17.  Vocação - Chamarra
       Letra: José Carlos Batista de Deus e Eduardo Munhoz
       Melodia: João Bosco Ayala e Luís Augusto Correa
       Cidade: Pelotas

18.  Vovô não vai... – Vaneira
       Letra: Carlos Alberto Dahmer, Dilceu dos Santos
       e Luis Carlos Jarutais
       Melodia: Dilceu dos Santos
       Cidade: Ijuí


CATEGORIA PIÁ TALUDO


1.    Intérprete: Caroline Antunes do Nascimento
Cidade: Ibirubá
Música: Milonga de Mil Colores – Milonga
Letra: Nenito Sarturi
Melodia: Luiz Cardoso

2.    Interprete: Eduarda Rosa
Cidade: Santana do Livramento
Música: Pampa e Flor – Milonga
Letra: Gujo Teixeira
Melodia: Roberto Borges

3.    Interprete: Fernanda do Nascimento
Cidade: Palmeira das Missões
Música: Reinfância – Milonga
Letra: João Ari Ferreira
Melodia: Luís Fernando Gastaldo e Nilton Ferreira

4.    Interprete: José Ricardo Maciel Nerling
Cidade: Palmeira das Missões
Música: Na Luz do teu Olhar – Canção
Letra: Rômulo Chaves
Melodia: Piero Ereno

5.    Interprete: Kauê Diaz Copatti                        
     Cidade: Cruz Alta
Música: Cruz de Campo – Chimarra
Letra: Juca Moraes e Luiz Fernando Gastaldo              
Melodia: Nilton Ferreira

6.    Interprete: Kristopher Pires da Silva
Cidade: Santana do Livramento
Música: O Poder da Lágrima – Milonga
Letra: Lauro Simões
Melodia: Luis Cardoso

7.    Interprete: Marciano de Souza Reis Filho
Cidade: Santana do Livramento
Música: Na Alma e na Voz – Chamamé
Letra: Carlos Omar Vilela Gomes
Melodia: Pirisca Grecco

8.    Interprete: Victória Passos
Cidade:Sapucaia do Sul
Música: Meus Olhos – Milonga
Letra: Cristian Davasec
Melodia: Marcelo oliveira


CATEGORIA INSTRUMENTAL


1. Interprete: João Paulo Deckert                 
     Cidade: Panambi
     Música: La Cerruchada – Chamamé 
     Melodia: Isaco Abibol

2. Interprete: Vitor Campagnolo                     
    Cidade: São Leopoldo
    Música: O canto do Quero-quero – Chote
            Melodia: Silvio João Costa


CATEGORIA PIÁ
    

1.    Interprete: Giovanna Jung Mottini
Cidade: Porto Alegre
Música: Labirintos – Canção
Letra: Luís Fernando Gastaldo
Melodia: Piero Ereno

2.    Interprete: Giulia Silva de Andrade
Cidade: Sapucaia do Sul
Música: Rancho de Luz – Milonga
Letra: Túlio Urach, Carlos Omar Villela Gomes
Melodia: Gibão Strazzabosco

3.    Interprete: Gustavo Oliveira da Silva
Cidade: Esteio
Música: Piazito de Campanha – Milonga
Letra: Nenito Sarturi
Melodia: Jorge Freitas e Walter Fiorenza

4.    Interprete: Isabelle Jung Mottini
Cidade: Porto Alegre
Música: Despedida – Canção
Letra: Jaime Vaz Brasil
Melodia: Ricardo Freire

5.    Interprete: Juan Victor Borges Winz
Cidade: Santana do Livramento
Música: Rincão do Paraíso – Chamarra
Letra: Cristian Davesak
Melodia: Ricardo Rosa

6.    Interprete: Leonardo Nunes da Costa
Cidade: Rosário do Sul
Música: “Solidão Chamou e Eu Vim” – Milonga
Letra: Guilherme Collares
Melodia:Cristian Camargo

7.    Interprete: Maria Alice Rosa da Silva
Cidade: Santana do Livramento
Música: Garganta con Arena – Tango
Letra e Melodia: Cacho Castaña

8.    Interprete: Ruam de Oliveira Boscaini
Cidade: São Gabriel
Música: Estampa Domingueira – Milonga
Letra: Alex Silveira
Melodia: Carlos Madruga


CATEGORIA INSTRUMENTAL

1.     Interprete: Eduardo Morlin                                 
Cidade: Palmeira das Missões
Música: Taquito Militar – Milonga                     
Melodia: Mariano Mores

2.     Interprete: Gustavo da Silva Gomes                   
Cidade: Cruz Alta
Música: Minha Vaneira – Vaneira                     
Melodia: Gustavo da Silva Gomes

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Não Deixe Morrer A Vigília Do Canto Gaúcho...



 “Não Deixe Morrer a Vigília”    Amigos: esta é uma luta pela cultura popular, pela identidade cultural gaúcha, pela honra daqueles - artistas ou público - que fazem e são os festivais de música, poesia e canto do Rio Grande do Sul. Pela honra da cultura gaúcha e em apoio aos nossos irmãos e amigos do Núcleo Cachoeirense de Compositores Nativistas e de todo o ambiente festivaleiro gaúcho estamos lançando a Campanha “Não Deixe Morrer a Vigília”.

    Embora simbólica, essa manifestação reage ao anúncio, pelo prefeito de Cachoeira do Sul – até o ano que vem -, de que não realizará o evento mais uma vez porque “decidiu priorizar atividades que envolvam competidores só de Cachoeira, o que faz com que o dinheiro das premiações fique na cidade”. O prefeito também afirmou que: “os 'tradicionalistas' não têm do que reclamar, pois está apoiando financeiramente a cavalgada da integração”. 

    Vale lembrar que JAMAIS os compositores, músicos, intérpretes, letristas, poetas, declamadores de Cachoeira do Sul ou participantes do festival, foram convidados para uma reunião com o prefeito ou seu “participativo” departamento de eventos, para debater o assunto ou tratar de qualquer tema.     

    Segundo se soube, apenas houve, em 2010,  um contato com patrões de CTGs perguntando se os mesmos queriam “assumir a Vigília”.  É preciso dizer que na Administração em que o atual prefeito Sérgio Ghignatti, foi vice-prefeito, na década de 90, o Município também cancelou o festival, quase determinando a morte da Vigília do Canto Gaúcho. Será algo pessoal?

    Hoje, um dos maiores e mais tradicionais festivais nativistas do Rio Grande do Sul sofreu mais um severo golpe. Mais um festival agoniza no Rio Grande. E não podemos aceitar calados o descomprometimento - com a identidade cultural gaúcha - destes políticos que se elegem “declamando” Jaime Caetano Braun na TV, mas depois viram as costas à produção cultural regional.

    A Vigília não morrerá, pois os mandatos eleitorais terminarão e a cultura seguirá!!!

     Por isso, pedimos o apoio dos nativistas do Rio Grande e do Brasil no sentido de manifestarem o seu protesto, desacordo ou indignação com a decisão unilateral da Prefeitura (que sequer elaborou um projeto pra LIC ou esboçou qualquer interesse de promover o festival), replicando esta mensagem para seus contatos e pelas redes sociais, ou escrevendo diretamente para o prefeito, os vereadores de Cachoeira do Sul e o Jornal do Povo, principal órgão de imprensa daquela cidade.

    Chega de “mercadores” e políticos que não promovem a cultura determinarem a extinção de nossos festivais, de calarem a nossa voz, atentarem contra nossa memória histórica, apagarem os nossos versos, renegarem nossas orígens e negarem nossa identidade cultural!!!

    Não deixaremos que morra a Vigília!!!

    Chega de atentarem contra os festivais do Rio Grande!!!!

    Chega de atentarem contra o nativismo!!!!
    
    Por favor, repasse esta mensagem à sua rede de contatos, poste nas redes sociais, vamos gritar bem alto pelos nossos valores culturais!

    Mande teu email de apoio com o título: “Não Deixe Morrer a Vigília”  para cpd@cachoeiradosul.rs.gov.br ,smic.cachoeiradosul@gmail.com ,  acscachoeira@gmail.com

Para o jornal.

jp@jornaldopovo.com.br

Para os vereadores de Cachoeira do Sul:
clebercardoso@camaracachoeira.rs.gov.br ; vasconcelos@camaracachoeira.rs.gov.br ;julinhodomercado@camaracachoeira.rs.gov.br ; vereadorbala@terra.com.br ;lucianofigueiro@camaracachoeira.rs.gov.br ; marcelodanoemia@camaracachoeira.rs.gov.br,mariana@camaracachoeira.rs.gov.br ; oscarsartorio@camaracachoeira.rs.gov.br ;jarrao@camaracachoeira.rs.gov.brvaldocir@camaracachoeira.rs.gov.br .

e também deixe post no facebook e twitter do Jornal do Povo e na comunidade do Orkut do JP.

    “Não Deixe Morrer a Vigília” é uma iniciativa do cachoeirenses comprometidos com a cultura gaúcha e tem o apoio da:
www.radioterragaucha.com.br .

    É autorizada a inserção dos endereços de blogs, microblogs, sites e similares que apoiam esta iniciativa.

    Mil gracias!